Será que você precisa de um Cloud Server ou de um VPS?

Será que você precisa de um Cloud Server ou de um VPS?

por Jaqueline Tiburcio*

Se você está na fase de pesquisa para transformar o seu departamento de TI, deve reconhecer que o modelo tradicional, com servidores dentro de casa, está deixando de atender às demandas do negócio na velocidade desejada.

Já temos muito em comum, viu? Concordamos que para o negócio sobreviver e, principalmente, crescer, precisa ter agilidade e estar alguns passos à frente dos concorrentes. E isso envolve ter uma TI atualizada.

Se durante essa busca surgiu a dúvida entre VPS e Cloud Server, chegou ao artigo certo!

Espero contribuir para sua decisão. Boa leitura!

Cloud Server e VPS é a mesma coisa?

Não. Mas a quantidade de ruídos ao explicar os dois modelos faz com que sejam facilmente confundidos, levando algumas empresas a contratarem VPS acreditando que estão contratando um Servidor na nuvem.

Adianto que cada modelo tem suas características, e a melhor opção depende do que você precisa.

Como funciona um VPS?

VPS – Virtual Private Server ou Servidor Virtual Privado – é implantado sobre uma única máquina física, cujos recursos de processamento, memória e disco são divididos entre vários VPS. Cada VPS opera isolado dos demais de forma que, caso um utilize recursos em excesso, os demais não sejam afetados.

Como, nesse modelo, os servidores rodam sobre uma máquina física específica, caso ela sofra alguma indisponibilidade, todos os VPS instalados param de funcionar.

Como funciona um Cloud Server?

Um cloud server utiliza inúmeras máquinas físicas trabalhando simultaneamente e orquestradas para oferecer o máximo de desempenho. Seu sistema não conta com a infraestrutura de apenas uma máquina, mas sim de várias.

E isso permite que, caso uma máquina física apresente falha, os respectivos cloud servers sejam migrados para outros nós da infraestrutura, evitando o impacto para os usuários.

Vamos à comparação entre VPS e um Servidor em Nuvem

Agora que vimos a definição dos dois modelos, vamos comparar alguns requisitos básicos entre eles.

VPS oferece redundância?

Não! Se a máquina parar, suas aplicações vão parar também.

Caso ocorra um problema de hardware, a máquina física será desligada até que as medidas cabíveis sejam tomadas. Nesse caso, as aplicações que rodam nos VPS serão interrompidas.

Lembrando que um servidor pode parar por vários outros motivos além de problemas de hardware, como, por exemplo, falta de energia, desastres naturais ou qualquer problema em algum dos elementos internos que o servidor utilize.

Nuvem oferece redundância?

Sim!

Na nuvem, a arquitetura é distribuída. Então há várias máquinas, em diferentes datacenters e/ou regiões, para quais os dados podem ser replicados para que possam assumir o serviço caso ocorra indisponibilidade na máquina atual.

Esse cenário reduz o impacto para os usuários que, muitas vezes,  nem percebem que outra máquina assumiu suas aplicações.

Se as aplicações são críticas e não podem parar, contar com redundância é indispensável.

No entanto, mesmo sendo essencial, não é um projeto simples de implantar. Por isso, é recomendado contar com um parceiro de confiança.

VPS oferece escalabilidade?

Bem, pode até oferecer, mas por se tratar de um servidor físico rodando máquinas virtuais, existe a limitação de hardware e espaço físico do servidor. E a inexistência de escalabilidade do VPS, sem dúvida, impõe um limite no crescimento do seu negócio.

A pouca escalabilidade do VPS é limitada e não é automática. Além do fato de os recursos possíveis de redimensionamento serem memória e disco. Somente. E isso dependendo da capacidade geral da máquina.

A Nuvem oferece escalabilidade?

Sim. Sem dúvida! A escalabilidade que a nuvem oferece é um dos seus principais benefícios.

A nuvem oferece soluções para que empresas mantenham suas aplicações rodando, mesmo em situações de sobrecarga. Inclusive, é possível fazer upgrades e downgrades conforme a demanda.

Um exemplo é o caso de portais que recebem um grande número de acessos em determinadas épocas ou horários. Nesses casos, não é interessante manter uma estrutura maior, pois os custos seriam elevados, o que não compensaria quando estivesse ociosa.

Então por que não contratar o que precisa, quando precisa e pagando somente pelo que usar?

Nesse modelo, você investe de acordo com o momento em que seu negócio está. Isso quer dizer que você pode, perfeitamente, começar com um servidor menor, e aumentar conforme seu negócio avança. Dessa forma, além de economizar, é possível ter controle e previsão dos custos.

Quem é responsável pelo VPS?

No VPS, o fornecedor é responsável, via de regra, somente pela infraestrutura. Como mencionei anteriormente, uma fatia do servidor físico, que fica alocado na estrutura do fornecedor, é alugada para o contratante.

Quem é responsável pelo Cloud Server?

Depende da necessidade e/ou preferência do cliente. A nuvem é bastante versátil também nesse ponto.

Você pode contratar o modelo IaaS (somente infraestrutura, sendo o gerenciamento de sua responsabilidade), PaaS (infraestrutura e gerenciamento do ambiente de responsabilidade do fornecedor) ou os dois.

Inclusive, há maneiras de gerenciar várias nuvens numa só plataforma. A CentralServer, por exemplo, oferece uma plataforma multicloud, gerenciada ou não, na qual é possível ter controle das nuvens AWS, Azure e VMware.

VPS ou Cloud Server: qual é melhor?

VPS até pode ser uma boa opção para quem não quer manter um servidor em casa e não possui aplicações críticas. Mas como vimos até aqui, ele impõe muitas limitações, inclusive ao crescimento do seu negócio.

Não oferece bom redimensionamento, não conta com redundância e, com ela, você corre o risco de ter seu negócio interrompido.

Na nuvem a situação é outra. Um Cloud Server faz uso de máquinas orquestradas para o melhor desempenho dos seus serviços, redimensionamento – vertical e horizontal. Inclusive automatizado -, redundância e recuperação de desastres.

Alguns benefícios da nuvem:

  • Armazenamento e gestão de dados
  • Gestão de usuários
  • Mobilidade e disponibilidade
  • Segurança de dados
  • Otimização de investimentos e previsão de budget
  • Escalabilidade
  • Modelo multicloud (use o melhor de cada nuvem)

(Você pode ler mais sobre essas vantagens aqui)

Quanto ao custo, o Cloud Server tende a ser mais caro se comparado ao VPS. Isso porque a computação em nuvem é um modelo que transcende servidor, redes, hardware, armazenamento. É um dos pilares da Quarta Revolução Industrial, que se tornou indispensável para o futuro da grande maioria dos negócios.

Se você busca uma TI que ajude a levar a sua empresa adiante,  conheça mais sobre a computação em nuvem. E se precisar de um parceiro para te ajudar, conte com a CentralServer.

*Jaqueline Tiburcio é Analista de Comunicação na CentralServer.

Gostou desse conteúdo?

Fique atualizado recebendo gratuitamente nossos artigos diretamente no seu email

(Visualizado 74 vezes, 1 vezes visualizado hoje)