Gerenciando vizinhos barulhentos na nuvem

*Por Juliano Simões

Recentemente, têm surgido na mídia especializada artigos sobre o impacto causado por “vizinhos barulhentos” em ambientes de Cloud Computing. Entenda-se que os vizinhos, nesse caso, são máquinas virtuais (VMs) que compartilham a estrutura da nuvem.

Aqui cabe um esclarecimento. Uma das principais características que viabiliza o fornecimento de infraestrutura e plataforma como serviço (IaaS/PaaS) é a possibilidade de compartilhamento de um ambiente de alta disponibilidade e desempenho (e, por consequência, de alto custo) entre múltiplos vizinhos (máquinas virtuais) que operam isoladamente. A maioria dos provedores implementa esse isolamento limitando o uso de CPU e de memória de cada VM. Com isso, garante-se que não haverá esgotamento desses recursos nos servidores físicos, possibilitando a coexistência dos servidores virtuais.

Ocorre que há dois outros recursos compartilhados na nuvem que, muitas vezes, deixam de ser limitados: o uso da rede e da camada armazenamento de dados (storage). Se o nível de utilização desses itens não for devidamente controlado, um “vizinho barulhento” pode sobreutilizá-los, gerando impacto e degradando a performance de todo o ambiente.

A principal causa da falta de limitação da banda de comunicação e do IOPS (operações de entrada/saída de dados do disco) alocados para as VMs é que esse controle não está disponível em todas as plataformas de virtualização. A solução adotada por alguns provedores, nesses casos, é superdimensionar esses dois recursos para evitar o pior.

Contudo, essa não é uma solução ideal pois além elevar o custo da prestação dos serviços, resulta em uma performance variável dos sistemas que rodam na nuvem, gerando uma grande dor de cabeça para os clientes que administram as VMs, ou Cloud Servers.

A CentralServer usa a tecnologia VMware para implantar os serviços de computação em nuvem e oferece aos administradores um ambiente controlado e previsível para extensão de suas estruturas de T.I..

Consideramos que essa previsibilidade de desempenho é uma característica fundamental a ser oferecida pelo provedor de nuvem. Ela permite que o cliente entenda os limites contratados e tenha a segurança de que o Cloud Server vai responder de maneira uniforme à demanda, a qualquer momento.

*Juliano Simões é Diretor de Tecnologia da CentralServer.


 
 

Gostou desse conteúdo?

Assine nossa Newsletter e receba nossos artigos diretamente no seu email

Também pode lhe interessar