As 6 melhores práticas para um crescimento empresarial previsível

dezembro 7th, 2016 by Comunicação CentralServer Sem comentários »

as-6-melhores-praticas

Quem não quer ver sua empresa crescer e prosperar no mercado? Não há ninguém que monte um empreendimento sem pensar no futuro de seu negócio. Prever o padrão de crescimento de sua atividade pode ser algo vital na busca pelo sucesso. Isso porque, com tal atitude, é possível otimizar as suas operações.

Então, você já sabe que acompanhar e projetar adequadamente o crescimento empresarial de seu negócio é relevante mas tem dúvidas sobre a melhor maneira de fazer isso? Se este é o seu caso, continue lendo o texto e descubra as melhores práticas para um crescimento empresarial previsível!

1. Faça um bom planejamento estratégico

Esse é o passo básico para quem quer atingir um crescimento empresarial mais previsível. O planejamento estratégico começa a partir da criação da identidade organizacional de uma empresa e a acompanha durante todos os estágios, até a venda de seu serviço.

Esse planejamento permite que a empresa tenha de forma clara quais são suas diretrizes, podendo conhecer suas características e ter uma visão ampla de seu papel no mercado. Como consequência, é possível traçar estratégias certeiras, que abranjam seu público-alvo e tenham em mira um aumento de lucros — além de poder antecipar qual será o desempenho futuro do empreendimento.

Após a idealização da identidade organizacional da marca, é recomendado o processo de criação chamado Balanced Scorecard (BSC), também conhecido como gestão BSC, que foca em criar objetivos realistas e consistentes para o negócio, bem como definir indicadores. A partir daí, é possível criar planos para que aquelas metas sejam alcançadas.

Seu intuito é interferir positivamente em toda a cadeia organizacional da empresa, visando sempre seu êxito e a longevidade no mercado.

2. Não se esqueça do planejamento financeiro

O planejamento financeiro também é essencial para o êxito de um negócio. Você consegue pensar em uma empresa que tenha sucesso e não controle bem o seu orçamento?

Ele consiste, basicamente, no registro eficaz de dados e informações relativas a todas as transações monetárias do empreendimento. Estão inclusos gastos como: o aluguel da loja, contas essenciais, salários, compra de produtos e outras despesas; além das receitas geradas pelo negócio.

Não deixe de registrar tudo, por menor que seja o valor envolvido na operação. É extremamente necessário fazer um bom monitoramento do fluxo de caixa do negócio.

Esses dados devem ser colhidos todos os dias, de preferência com uma pessoa ou equipe focada nessa atividade (dependendo do tamanho da empresa), e analisados ao final de um determinado período preestabelecido. Essa análise tem por objetivos descobrir quais são os hábitos financeiros da empresa e como fazer com que ela expanda seus lucros.

Com o tempo, o empreendedor conseguirá entender quais são os padrões da empresa — e, assim, também poderá projetar qual será seu ritmo de crescimento e entender como melhorá-lo.

3. Aposte na tecnologia

tecnologia é uma grande aliada na hora de criar sua empresa e expandi-la no mercado em que atua. Nos dias de hoje, é possível encontrar softwares, aplicativos e outros sistemas que auxiliam na coleta de dados e projeções feitas sobre o resultado das vendas.

Coletar manualmente todos os dados de transações financeiras, vendas e estoque é trabalhoso. As chances de que ocorra algum erro são grandes, caso deixe para anotar tudo na folha de papel ou em planilhas do Excel.

Nesse sentido, esses sistemas tornam a vida do empreendedor um pouco mais fácil. As soluções tecnológicas ajudam, e muito, a otimizar os processos de sua empresa — assim como economizar tempo e diminuir as chances de que os dados coletados estejam errados.

É possível ainda aproveitar a tecnologia a fim de melhorar o atendimento ao cliente do local, com chats, sistemas de atendimento de chamados e funcionários disponíveis para acolher bem as solicitações de seus consumidores. Evita-se, desse modo, a perda de informações ao manter um histórico de todos os atendimentos.

4. Estabeleça metas seguras e realistas

Após coletar os dados pertinentes da empresa e fazer uma avaliação, é hora de criar metas que possam ser alcançadas pela sua equipe. Esses objetivos podem ser tanto de vendas ou de captação de novos clientes para o negócio e têm como intuito incentivar os funcionários a fazer com que a empresa cresça cada vez mais.

Não tenha medo de cobrar que aqueles resultados sejam atingidos, desde que haja metas realistas e tudo tenha sido baseado no histórico da empresa e no padrão de crescimento do mercado. É importante se ater a essas metas para, assim, se manter nas projeções de crescimento feitas.

5. Acompanhe as suas vendas

Faça reuniões semanais ou quinzenais com sua equipe de vendas para saber como andam os processos, bem como melhorá-los.

Essas reuniões servem tanto para orientar seus funcionários sobre as operações quanto para cobrar alguns resultados. É importante ter um controle de vendas para saber a quantas anda o seu empreendimento, sem ter surpresas desagradáveis no final do mês.

6. Aprenda a lidar com resultados negativos

Mesmo tendo um ótimo time de vendas e sustentando expectativas realistas, nem sempre todos os resultados são atingidos. Nessas situações, como agir?

Para ter um crescimento empresarial previsível, deve-se saber que, em dadas situações, nem todas as metas serão cumpridas. Por isso, é preciso ter paciência para contornar as situações críticas e eventuais danos nos lucros da empresa.

Nesses cenários, é importante conversar com seu time para, além de mostrar o quanto aqueles objetivos devem ser levados a sério, encontrarem juntos o real motivo para o planejamento não ter funcionado.

Use as situações negativas como uma boa chance para aperfeiçoar os processos e, assim, poder aumentar o lucro do seu negócio.

Sustentar um crescimento empresarial previsível pode ser a peça-chave para o sucesso de uma empresa.

Você gostou do texto? Deixe um comentário nos contando sobre as técnicas que usa para prever o crescimento da sua empresa!

Entenda o que é IaaS e quais os benefícios do seu uso pelas PMEs

dezembro 1st, 2016 by Comunicação CentralServer Sem comentários »

entenda-o-que-e-iaas

O mercado não para de se reinventar a cada instante. Sempre uma nova tecnologia ou uma ideia inovadora vêm para transformar de vez as práticas de negócio consolidadas e que vão perdendo espaço para novas atitudes. As empresas antenadas nessas mudanças e tendências ficam sempre um passo à frente na disputa por melhores colocações no mercado.

Em se tratando de pequenas e médias empresas (as famosas PMEs), estar atento às mais novas e eficientes maneiras de organizar e gerenciar o cotidiano pode ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso.

E uma das tecnologias mais presentes em casos de sucesso é a computação na nuvem, por sua otimização de custos, segurança e flexibilidade. Dentre todos os tipos de serviços e produtos possíveis na nuvem, vamos destacar o IaaS (Infrastructure as a Service, ou Infraestrutura como um Serviço, em português), por seus grandes benefícios para as PMEs.

O que é IaaS?

De todos os modelos possíveis de serviços em nuvem, o IaaS é o mais flexível. Nele, a empresa contratante tem mais poder de ação e criação em seus servidores. No IaaS, o cliente recebe uma máquina virtual e fica responsável por gerenciar o sistema operacional (SO) e por instalar e configurar serviços e aplicações.

Para quem procura maior flexibilidade, controle e uso de aplicações próprias, o IaaS é a opção mais adequada. Para entender melhor o que é IaaS, é preciso citar outros dois serviços semelhantes: o PaaS (Platform as a Service, ou Plataforma como um Serviço) e o SaaS (Software as a Service, ou Software como um Serviço).

Diferenças entre IaaS, PaaS e SaaS

Basicamente, o que difere esses três modelos é a liberdade que a empresa tem com as aplicações e o quanto é gerenciado pelo próprio provedor dos serviços na nuvem. Dessa forma, temos:

  • IaaS: o cliente tem controle sobre o sistema operacional e pode desenvolver aplicações próprias, rodar sistemas e softwares que bem entender e criar plataformas. O provedor, fica responsável pela manutenção da infraestrutura física e de virtualização;
  • PaaS: ambiente preparado para o cliente desenvolver, rodar e gerenciar aplicações sem precisar se preocupar com o gerenciamento do sistema operacional;
  • SaaS: aqui, o cliente apenas usa o software via internet, ficando a cargo do provedor gerenciar a infraestrutura e a plataforma.

O que esperar de um IaaS?

Ao optar pela aquisição de um serviço de IaaS, a empresa pode esperar a obtenção de um grande controle sobre os recursos de sua infraestrutura.

Poder desenvolver suas próprias plataformas é uma maneira de se diferenciar e destacar no mercado, ter mais flexibilidade e liberdade na criação de soluções customizadas para as demandas específicas de sua organização. Com a computação na nuvem, você pode esperar grandes benefícios em produtividade e na comunicação interna e no relacionamento com o público externo.

Quais são os desafios das PMEs?

Pequenas e médias empresas têm diversas barreiras a serem superadas para ganharem visibilidade, estabilidade e, é claro, um número cada vez maior de clientes. É preciso muito planejamento, persistência e eficiência ao lidar com os problemas.

Dentre os diversos desafios para alavancar um negócio, os principais são: encontrar o diferencial da empresa, estabelecer metas claras e objetivas, encantar o cliente e fidelizá-lo e estar atento às inovações. E na era digital que estamos vivendo, marcada pelos dispositivos eletrônicos no centro da vida diária, a superação desses desafios está no investimento em tecnologia.

As soluções de computação na nuvem podem inaugurar um novo paradigma em uma organização, trazendo práticas mais modernas e permitindo entregar ao cliente produtos e serviços com maior agilidade e disponibilidade. Adotar um modelo de IaaS é a resposta certa para uma pequena ou média empresa expandir sua estrutura na velocidade necessária para atender às demandas dos clientes.

Como adotar um IaaS pode ajudar uma PME?

Adequar-se às tendências da tecnologia é uma atitude essencial para o crescimento de uma organização. Adquirir um serviço de IaaS conta com inúmeras vantagens, dentre elas:

  • Diminuição de indisponibilidades causadas por falhas de hardware, já que o sistema está todo virtualizado na nuvem;
  • Sem custos com manutenção de equipamentos físicos, crescem os potenciais investimentos em atividades que de fato possam alavancar os negócios;
  • Recursos disponíveis para a empresa como e quando for necessário, por conta da escalabilidade da computação na nuvem;
  • Possibilidade de rodar sistemas como ERP, CRM e outros que podem ser acessados de qualquer dispositivo (smartphones, tablets, computadores, notebooks etc), dando mais mobilidade ao uso diário de clientes e funcionários;
  • Possibilidade de instalar qualquer plataforma de software, o que gera mais visibilidade e eficiência nas operações;
  • Pela automatização do IaaS é permitida a implantação acelerada de servidores, armazenamento e serviços de rede.

Com uma solução de cloud computing no modelo IaaS você ganha a flexibilidade e a agilidade necessárias em seus ambientes para se alinhar às demandas de seu negócio.

Como tirar bom proveito de um IaaS?

Com o controle ao alcance da equipe de TI da própria empresa, um fato fica óbvio: maior customização e melhor preparo para lidar com o surgimento de novos desafios. As possibilidades geradas por um IaaS são inúmeras e possuem diversas vantagens que podem dar muita competitividade a uma PME frente a suas concorrentes.

Uma vez que você tem acesso a uma infraestrutura virtual, tire proveito da alta escalabilidade possibilitada por esse serviço, implementando mudanças e lançando novos projetos com muito mais facilidade e rapidez. Utilize o banco de dados, o sistema operacional e a plataforma que desejar, pagando apenas pelo tempo e quantidade com uso efetivo.

Com o objetivo de manter a infraestrutura funcionando corretamente e com segurança, sem perder em criatividade nas soluções de gargalos e no surgimento de novas ideias para o negócio, aderir a um serviço de computação em nuvem é indispensável.

Como um IaaS pode ajudar no crescimento de uma PME?

Em momentos de turbulência econômica pela qual passamos, investir em tecnologias que tornem os processos mais ágeis a curto e médio prazo, como um serviço de IaaS, é um posicionamento essencial para manter a empresa competitiva.

As principais necessidades das pequenas e médias empresas são: virtualização de servidores, segurança, velocidade de conexão, marketing e soluções de comunicação, como redes sociais e blogs. Com uma boa equipe de TI, um bom serviço de IaaS e o suporte adequado, todas essas demandas primordiais para o crescimento de um empreendimento serão atendidas, tornando o negócio muito mais próspero.

Focar em melhorias para a área de TI de sua empresa é investimento, e não custo. A receita para a longevidade de um negócio está em usar a tecnologia para se modernizar, inovar em suas ações de marketing e criar novas estratégias de negócio.

E você, preparado para aderir ao IaaS e usufruir de todos os benefícios que ele pode trazer para o seu negócio? Compartilhe suas ideias deixando seu comentário no post!

Contratação facilitada e Novos recursos no CloudFlex 1.7

novembro 24th, 2016 by Comunicação CentralServer Sem comentários »

Lançamos a versão 1.7 do CloudFlex. Confira as novidades:

Pague o CloudFlex com Cartão de Crédito

Implementamos o pagamento via Cartão de Crédito para os clientes do CloudFlex. Os pagamentos poderão ser realizados com cartões das bandeiras Visa, MasterCard, American Express, Hipercard e Diners.

O novo método de pagamento pode ser selecionado ao final do processo de contratação de cada cloud server.

tela-pagamento-cartoes

Proteção Contra DDoS

O ataque DDoS, também conhecido como ataque distribuído por negação de serviço, é utilizado para executar múltiplos acessos a um site, deixando-o instável ou, ainda, indisponível. Os responsáveis pelo ataque criam programas maliciosos que são instalados em diversas máquinas que realizam os acessos.

Com o IP protegido contra DDoS, o tráfego legítimo e o tráfego de DDoS são diferenciados, assim, todo tráfego oriundo de ataque é bloqueado e somente o tráfego legítimo é entregue ao servidor, mantendo a disponibilidade.

diagrama

A contratação de IPs adicionais pode ser feita através do painel individual de cada cloud server na área de serviços Adicionais.

ip-adicional

Serviço Adicional de FTP Backup

O backup de dados é fundamental para todos os negócios e, para funcionar bem, requer performance diferenciada e de confiabilidade. Para isso, foi implementado o serviço adicional de FTP Backup.

As principais características deste serviço são:

  • Gerenciamento centralizado de logins e cotas de espaço em disco;
  • Compatibilidade com ferramentas de backup que usam armazenamento via FTP;
  • Velocidade de rede de até 01 Gbps;
  • Isenção da taxa de transferência de dados para comunicação dentro do mesmo datacenter.

A contratação deste serviço adicional é feita em blocos de 10 GB de armazenamento e pode ser feita através do Painel do CloudFlex.

servico-ftp

Gerenciamento de DNS

Outra nova funcionalidade do CloudFlex e a possibilidade de adicionar domínios e configurar a zona de DNS de acordo com sua necessidade e a função atribuída a cada um de seus cloud servers.

servico-dns

Ativação e instalação do Cloud Server em um único processo

O processo de adição de novos cloud servers à sua conta do CloudFlex também está de cara nova! Agora a seleção de template e de licenças ocorre já na etapa contratação, fazendo com que o cloud server seja ativado já com o sistema operacional e demais ferramentas selecionadas.

 

Conheça os 5 pilares do Planejamento Estratégico

novembro 17th, 2016 by Comunicação CentralServer Sem comentários »

5-pilares-blog

O planejamento estratégico é uma metodologia por meio da qual a empresa consegue definir aonde e como quer chegar dentro do mercado em que atua. Em uma análise mais macro, ele estabelece uma visão da geração de valor da empresa para a sociedade no longo prazo, já que a geração de lucro, por si só, poderá não garantir sua sobrevivência.

Quando falamos de planejamento estratégico, falamos basicamente de futuro. Primeiro, definindo onde a empresa está e aonde quer chegar. Depois, analisando os gaps — lacunas a serem preenchidas — para se conseguir alcançar o ponto definido como objetivo principal dentro de um determinado tempo. Em seguida, colocando em ação o plano traçado para chegar a esse objetivo.

Neste artigo vamos falar sobre os principais pilares para um bom planejamento estratégico e como fazer para implementá-los de forma efetiva em sua empresa. Confira!

1. Onde estamos: análise do ambiente externo

Conhecer o ambiente externo e o mercado em que a empresa está inserida é fundamental para estabelecer a rota correta de mudanças. Isso pode ser feito com a análise de dados secundários, como pesquisas oferecidas por meios de comunicação ou de associações do setor, bem como contratando uma empresa de pesquisa para tal.

A contratação de uma consultoria também é recomendada, desde que seja comprovadamente conhecedora do setor, tenha boas referências e profissionais com experiência suficiente para agregar valor ao processo e ter um retorno sobre o investimento — que, em geral, não é baixo.

Com as informações disponíveis, faz-se um benchmarking (comparação da situação atual da empresa com as empresas concorrentes) para se ter uma ideia das ameaças e oportunidades que precisam ser atacadas e aproveitadas, respectivamente.

A técnica amplamente utilizada no mercado, chamada de Análise de SWOT — sigla para Strengths, Weaknesses, Opportunities and Threats — trata dessas ameaças (threats) e oportunidades (opportunities) do ambiente externo dentro de sua metodologia.

2. Quem somos: análise do ambiente interno

Também utilizando a Análise de SWOT, faz-se uma avaliação pormenorizada da situação interna da empresa, verificando a efetividade de seus processos, nível de satisfação de seus colaboradores, políticas de qualidade, entre outros fatores que sejam mensuráveis. São as forças (strenghts) e as fraquezas (weaknesses) que a empresa tem e que necessitarão de atenção durante o planejamento estratégico.

Essa análise precisa ser realista, envolvendo o maior número de pessoas possível, principalmente nos níveis de chefia e gerência, para que os objetivos a serem listados correspondam à realidade da empresa e os recursos sejam alocados corretamente no momento da execução do plano estratégico.

3. Aonde queremos chegar: os objetivos principais da empresa

Os objetivos precisam estar alinhados à missão, à visão e aos valores da empresa. Por isso, esses conceitos devem ser definidos logo no início do planejamento estratégico.

A missão da empresa é o que ela diz para o mercado sobre quem é. Junto com os valores, que são os princípios e padrões de comportamento preconizados internamente e externamente, formam a personalidade da empresa e dizem para que ela existe perante a sociedade. A visão, por sua vez, representa o que a empresa quer ser, trazendo em si um desejo futuro e, por muitas vezes, sendo até utópica.

No que diz respeito aos objetivos definidos no plano, sejam qualitativos ou quantitativos, estes precisam ser mensuráveis, específicos, alcançáveis, realistas e temporais, ou seja, precisam ser únicos e passíveis de medição dentro de um determinado período de tempo.

Definidos os objetivos, esses são decompostos em indicadores de desempenhos, conhecidos como KPIs (do inglês, key performance indicators). Para cada indicador uma meta deverá ser associada e medida. Um exemplo de KPI seria o número de propostas comerciais convertidas em vendas. A meta para esse indicador poderia ser aumento de 5% por trimestre em relação ao anterior.

Nem todos os objetivos listados poderão ser atacados inicialmente, devendo-se priorizar os principais, que serão tratados em médio e longo prazo.

4. Como vamos chegar: o plano estratégico

Envolver todos os departamentos no momento de elaborar o planejamento estratégico muitas vezes é inviável. Dessa forma, sua produção é geralmente feita no esquema top-down (de cima para baixo), demandando um feedback constante de todos durante sua execução, quando os ajustes precisarão ser feitos para que o executado reflita melhor a realidade do dia a dia da operação.

É imprescindível o envolvimento da área financeira no momento de implementar o planejamento estratégico. Sem dinheiro não há como realizar nada de efetivo dentro da empresa, já que, desde o primeiro momento, recursos deverão ser disponibilizados para contratação de consultorias, realização de pesquisas, alocação de horas para o projeto, entre outras demandas.

A área de controle financeiro também precisará realizar o planejamento de desembolso com base nas ações previstas nos planos tático e operacional, como demanda de treinamentos, horas extras, contratações de pessoal, premiações por desempenho ligadas ao plano, novos sistemas computacionais, entre outras fontes de despesas e investimentos.

5. Ajustes de rota: ações corretivas e melhorias no plano

O planejamento estratégico não é estático, apesar de ser de longo prazo. Sempre que acontecerem mudanças no cenário externo, sejam específicas do mercado em que a empresa atual ou em nível macro, como alterações na política e na economia, a equipe responsável deverá se reunir e fazer o ajuste na rota pretendida, sempre tendo como norte a missão, a visão e os valores da empresa.

As possíveis alterações devem ser amplamente divulgadas dentro da empresa, levando ciência de seu impacto a todos os envolvidos.

Para fazer o acompanhamento e permitir as ações necessárias, o mercado utiliza a metodologia BSC (Balanced Scorecards) que mostra, de forma simples e gráfica, cada objetivo e sua respectiva meta a ser alcançada.

O BSC também oferece uma visão do desempenho de forma integrada entre os diversos setores da empresa, por meio de 4 perspectivas básicas para acompanhamento dos indicadores (KPIs), sendo elas a de Clientes, a de Processos internos, a de Aprendizado e crescimento e a Financeira.

Criar e implantar técnicas e ferramentas que permitam adaptar os processos o mais rápido possível é fundamental, já que hoje a aplicação da tecnologia da informação permite isso, desde que a estratégia tenha sido implementada sobre uma plataforma flexível e escalável, utilizando soluções de hospedagem em nuvem, modelagem de banco de dados e mobilidade.

Gostou de nosso artigo sobre os principais pilares de um planejamento estratégico? Então, deixe seu comentário e compartilhe conosco sua opinião!

 

Política de Privacidade